Ética: alicerce ou muro de contenção?

Professor Cesar Bullara

Vivemos num mundo onde, para muitos, a ética se reduziu a um conjunto de obrigações e proibições que dizem respeito ao cumprimento de regras e normas.

Sendo assim, a ética poderia ser comparada a um muro de contenção, mais do que um alicerce sob o qual se apoia todo o edifício da sociedade e de cada um de seus membros. Sabemos que a função do muro de contenção é a de resistir a pressões enquanto que a função do alicerce é a de sustentar uma determinada estrutura.

Entender a ética através da figura do muro de contenção, significa falar de algo que, mesmo sendo necessário, tem uma natureza meramente instrumental, externa e não inerente à nossa própria vida. Ao contrário, se por ética entendemos o alicerce que permite o levantamento de toda uma construção, estaremos nos referindo a algo essencial, interno e intrínseco.

Dependendo da figura que ilustra o nosso conceito, teremos maneiras completamente diferentes de tratar os dilemas éticos.

A imagem do muro de contenção nos remete a um entendimento da ética como uma aplicação de normas, algo meramente “legalista”. Trata-se de ter regras e códigos de conduta. Por esse motivo, torna-se necessário criar mecanismos de controle ou barreiras que impeçam que a pressão exercida sobre a estrutura da sociedade e sobre cada indivíduo não provoque a sua ruína.

Não está em jogo o questionamento dos critérios de tomada de decisão e sua relação com uma linha de atuação, sobre a bondade ou o dever ser das decisões que tomamos. Ficamos mais tranquilos simplesmente obedecendo uma ordem ou seguindo O código.

Sendo assim, não é à toa que muitos torcem o nariz quando ouvem falar de ética. Segundo eles, essa palavra traz consigo tudo aquilo que sabemos não se pode fazer, mas que todo mundo faz.

Tal modo de pensar corresponde a uma visão de ética que tem a ver com parâmetros externos de comportamento. Algo que, em muitos casos, poderia ser comparado com o politicamente correto. Quer dizer, se existe a aprovação externa, tudo certo, tudo ok. Ainda que a ação que realizei seja em si mesma condenável, como não foi percebida por ninguém ou como não transcendeu o âmbito da minha consciência ou das quatro paredes da minha casa, continuo sendo um exemplo de cidadania e de honradez. Nada mais falso…..

Proponho que retomemos o conceito clássico de ética como a ciência do bem viver, ou seja, do bem pensar e do bem agir. Algo que diz respeito à nossa realização como pessoa, em todos os sentidos: na vida pessoal e social, familiar e profissional.

Não podemos esquecer que a sociedade é reflexo do que são cada um dos seus integrantes, com suas qualidades e defeitos, virtudes e vícios, luzes e sombras. É preciso ter a coragem de afirmar, em alto e bom som, que existem condutas que são más em si mesmas, em qualquer tempo e espaço, independentemente de qualquer contexto social. Essa é a verdade sobre o ser humano!

Determinadas condutas são boas ou más não porque estão descritas num código. A ética não é um muro de contenção, é o alicerce da vida de toda sociedade e de cada um de seus membros.

 

Cesar Bullara, Chefe do Departamento de Gestão de Pessoas do ISE Business School.

Contato ISE

Escreva aqui sua mensagem que retornaremos em breve!

Start typing and press Enter to search